segunda-feira, 29 de junho de 2015

Antologias “Sagas das famílias imigrantes” e “Minha história, meu bairro”




 Regras para participação:

            As antologias publicadas pela EDITORA MATARAZZO têm por objetivo fomentar, divulgar e prestigiar a criação literária de autores principiantes e veteranos. Em um mesmo volume, serão publicadas obras de até 20 (vinte) autores diferentes.
            Os participantes devem ter conhecimento de que as participações nestas antologias estão sujeitas à aprovação de seus textos pelos organizadores das antologias em questão.
            Os textos deverão ser enviados em Língua Portuguesa e encaminhados para o email: livros@editoramatarazzo.com, assunto: Antologia – Saga famílias imigrantes ou Antologia – Minha história, meu bairro, juntamente com os dados do autor e no máximo 5 (cinco) folhas de A4, espaço de 1,5 e fonte Arial 14. O investimento para cada página será de R$ 25,00, podendo conter texto e fotos. Cada página participada dá direito a um exemplar. Por exemplo, cinco páginas equivale a cinco exemplares. O tamanho do livro será 16 x 23 cm, com miolo preto e branco e impressão no papel couchê, capa colorida. Atenção: envio dos exemplares por conta do participante. A Editora também fará um lançamento, na cidade de São Paulo, com data a ser agendada.
            Uma lista oficial de aprovados será divulgada no site e no blog da EDITORA MATARAZZO no dia 30 de agosto de 2015. Sendo que as obras serão publicadas em até 30 dias após esta data.
            Caso seu texto seja aprovado pelos organizadores, o mesmo entrará em contato com o autor.
            O participante deve ter ciência que se o seu texto for aprovado, um contrato de edição será celebrado entre ele e a editora.


Da inscrição:

1) Das antologias Sagas das famílias imigrantes e Minha história, meu bairro poderão participar todas as pessoas físicas maiores de 18 anos, ou menores com permissão do responsável, residentes legais no Brasil, bem como residentes no exterior.
2) Das características das antologias: a antologia Sagas das famílias imigrantes receberá única e exclusivamente trabalhos de famílias imigrantes que tiveram como destino as cidades do estado de São Paulo. A antologia Minha história, meu bairro receberá única e exclusivamente trabalhos sobre bairros da cidade de São Paulo e/ou da Grande São Paulo.
3) Ao se inscrever na(s) Antologia(s) o autor autoriza automaticamente a veiculação de seu texto.
4) Os dados fornecidos pelos participantes, no momento das inscrições, deverão estar corretos, claros e precisos. É de total responsabilidade dos participantes a veracidade dos dados fornecidos ao organizador.

Não serão aceitos textos que:

1) Possam causar danos a terceiros, seja através de difamação, injúria ou calúnia, danos materiais e/ou danos morais.
2) Ofendam a liberdade de crença e as religiões.
3) Contenham dados ou informações racistas ou discriminatórios.
4) Façam propaganda eleitoral ou divulguem opinião favorável ou contrária a partidos ou candidatos; (e) tenham sido produzidos por terceiros.
5) Que não venham formatados nas normas estabelecidas por esse regulamento.
6) Em caso de plagio comprovado, o texto será excluído automaticamente da antologia.

Outras informações:

1) Dúvidas relacionadas a estas antologias e seu regulamento poderão ser enviados para o e-mail: livros@editoramatarazzo.com com o assunto DÚVIDAS [NOME DA ANTOLOGIA].
2) Para todos os efeitos legais, os participantes das presentes antologias, declaram ser os legítimos autores dos textos inscritos e garantem o ineditismo dos mesmos, isentando o organizador de qualquer reclamação ou demanda que porventura venha a ser apresentada em juízo ou fora dele.
3) O organizador reserva-se o direito de alterar qualquer item deste Regulamento, bem como interrompê-la, se necessário for, fazendo a comunicação expressa para os participantes.
4) A participação nestas antologias implica na aceitação total e irrestrita de todos os itens deste regulamento.

 Editora Matarazzo


 Capa meramente ilustrativas

sexta-feira, 26 de junho de 2015

"O Porto e eu" apresentação na Cidade Invicta




Em meio aos festejos do São João do Porto, aconteceu na tarde de 21 de junho, a apresentação do livro de crônicas "O Porto e eu" de Thais Matarazzo. O evento teve lugar no Mural do Poeta, à Rua Duque de Loulé, n. 128 - um recanto cultural e literário da Cidade Invicta. 

Com organização da Código Simbólico Associação Sociocultural e da Editora Matarazzo, o lançamento contou com a apresentação do Conselheiro Durval de Barros, que podemos conferir a seguir.

"Boa tarde a cada um de vocês. Meu nome é Durval Carvalho de Barros.

É um prazer estar aqui no Mural do Poeta neste encontro com pessoas que participam de uma comunidade com que, como diplomata brasileiro função de Cônsul-Geral Adjunto no Porto, interajo em circunstâncias distintas, muito burocráticas ainda que necessárias, mas certamente bem menos estimulantes do que as desta tarde.

Agradeço o convite da associação Código Simbólico que recebi da sua dinâmica e caríssima presidente, Rosilda Portas, para apresentar o livro ”O Porto e eu...”, da autora brasileira Thais Matarazzo, publicado este ano em São Paulo.

Para não me alongar neste dia espetacular que temos hoje para desfrutar o Porto e este nosso encontro eu vou começar indo direto ao ponto: meu convite a vocês a que entrem neste livro. E para isso vou dizer brevemente o que ele me sugere.

Digo entrar no livro porque ele por si mesmo já convida a uma experiência que é mais do que a simples leitura. Vejo este livro como um objeto delicado que se entrega como pequeno presente ao leitor, uma lembrança para aqueles que conhecem e para os que não conhecem ainda o Porto.

Minha percepção, e aqui o abro para que vejam, é de que o livro lembra um cartão-postal. Um cartão-postal que mantém uma face fotográfica e outra, escrita. Um cartão-postal que se dobra e se multiplica em outros ao longo de 66 páginas.  

E também que se desdobra para seus leitores e os estimula a virem ao porto e verem a cidade. Ou, se calhar, a voltarem a ela. Digo cartão-postal, com muita saudade da beleza daqueles testemunhos afetivos de lugares que nos impressionavam e, por isso, enviávamos suas imagens com palavras que escrevíamos com carinho e cuidado para aquelas pessoas queridas. Tudo muito único num registro quase esquecido no mundo atual onde a percepção se fragmenta em milhares de registros imediatos a transitarem pela comunicação digital. 

Esta lembrança de ser um cartão-postal múltiplo que, por sua vez, lembra um Porto em suas múltiplas faces é um pouco da essência do livro, mas não toda.  O restante é o seu conteúdo informado e sensível.

Já as capa são sugestivas: a imagem da autora situa-se na paisagem mais representativa do Porto, que é seu objeto de observação. A ponte Luís I até a metade, que parte desta cidade para encontrar outra e encontrar muitas outras. Um discretíssimo casal de namorados que também se vê já em outro encontro. E a cronista que nos olha a observar, também com discrição, tudo aquilo que depois leremos na sua escrita. Na capa traseira, vemos a frente do “velho casario que se estende até o mar”, como diz a belíssima letra de Carlos Tê para a canção Porto Sentido que mais uma vez ouvi ontem no espetáculo do Rui Veloso na Praça da Liberdade, no Porto.

O título na capa frontal resume a imagem e as outras letras impressas na capa traseira expressam a visão do Príncipe dos Poetas Brasileiros, Paulo Bonfim, sobre a autora e o livro. E tudo isso confirma o convite ao conteúdo do livro.

Concentro-me na atratividade mais aparente para, de minha parte, também reforçar o convite. Logo na abertura do livro, a primeira foto convida a um passeio pela peatonal, um dos eixos essenciais daqueles que passeiam pela cidade. A rua de Santa Catarina será tratada depois num capítulo. A foto no verso da página é do relógio da Estação de São Bento, a marcar, há muito tempo, a hora da chegada e a da partida, momentos marcos da permanência que sempre deixará saudade em qualquer sensibilidade aberta.

Vejam que há sutileza logo na abertura. Depois, há também informação e sensibilidade. São dados que percebo como o complemento daquela parte da essência do livro que mencionei há pouco como incompleta. Um objeto-lembrança, um objeto-saudade, mas  com um conteúdo que se estende da breve história da cidade às primeiras, e outras mais recentes, lembranças da cronista; do rio Douro ao cais da Ribeira, do vinho do Porto ao seu povo acolhedor, gente com homenageada fidalguia como Fernando e Ana Pinto e D. Pedro I do Brasil e IV de Portugal que de tão bem acolhido legou seu coração à cidade, outras lembranças e curiosidades na voz da cronista, como as relativas ao Terreiro da Sé  e a torre dos Clérigos, outros fortes símbolos da cidade, e sua visão sobre as afinidades e contrates entre o Porto e São Paulo.

“O Porto e eu”, em crônicas breves e fotos em preto e branco, traz de volta algo daqueles registros sensíveis das impressões de viajantes e do encanto com o amor à primeira vista, afirmado logo na Introdução do livro.

Não me estendo mais porque o livro, ele mesmo, com sua graça visual e expressão concisa, já é por si sedutor, o próprio convite a que o desfrutem, com as mãos, com os olhos e com nossa curiosidade. 

Há vários prismas da cidade do Porto do outro lado da travessia. Vamos a eles!".






O Conselheiro da Código Simbólico, Durval Carvalho de Barros

Durval Carvalho de Barros e Thais Matarazzo

Rosilda Portas, Durval Carvalho de Barros e Thais Matarazzo


Rosilda Portas, Alberto Guimarães e Thais


Thais Matarazzo entrega o "Diploma de Gratidão" a poeta Manuela Bulcão

Rosilda Portas recebe o "Diploma de Gratidão" da Editora Matarazzo

Representantes da Editora Matarazzo em Portugal


A Editora Matarazzo acaba de fechar parcerias para venda de seus títulos em Portugal.
Para quem se interessar em adquirir nossos livros, seguem os contatos.







Em Lisboa, temos o colaborador Miguel Villa, email: miguelvilla@iol.pt






No Porto, a nossa parceira é a Código Simbólico - Associação Sociocultural, email: codigosimbolico.associacaosociocultural@gmail.com
E o Mural do Poeta, com sede à Rua Duque de Loulé, nº 228, Porto.


Editora Matarazzo marca presença na exposição "Os Anos de Ouro do Cinema Português"





Foi inaugurada na noite de 20 de junho de 2015, no Porto, a Exposição "Os Anos de Ouro do Cinema Português", organizada com dedicação e esmero pelo colecionador Paulo Borges. 

Borges é editor de um excelente blog dedicado as memória do cinema português: http://pauloborges.bloguepessoal.com/ 

O acervo exposto é fantástico, fruto de mais de 30 anos de trabalho e investigação de Paulo Borges. A Código Simbólico - Associação Sociocultural é parceria deste projeto. A presidente Rosilda Portas fez a apresentação do evento. Também falaram o colecionador Miguel Villa e os escritores Thais Matarazzo e Diego Nunes.

Vale a pena uma visita. Para os interessados, a exposição está em cartaz, por tempo indeterminado, na sede da Openline Portugal, à rua de Delfim Pereira, 555, de segunda a sexta-feira, das 9h às 18h30, e, aos sábados com marcação agendada pelo telefone 92696601.

A Editora Matarazzo parabeniza Paulo Borges pela iniciativa, desejando muito sucesso no projeto, e sente-se honrada por ter participado deste importante acontecimento no mundo das artes portuguesas.


Diego Nunes, Thais Matarazzo, Paulo Borges e Zulmira Mendes, sua esposa

Neuza Maria Faistauer, Miguel Villa, Diego Nunes, Thais Matarazzo, Paulo Borges e Zulmira Mendes


Miguel Villa, Diego Nunes e Thais Matarazzo


Rosilda Portas, apresentadora da inauguração da exposição, e Thais Matarazzo

Diego Nunes e Thais Matarazzo falaram sobre suas obras na apresentação da exposição, um amável convite
do colecionador Paulo Borges

Público presente a exposição


Editora Matarazzo na 40a. Feira do Livro de Aveiro


A Editora Matarazzo esteve na 40a. Feira do Livro de Aveiro, em Portugal, juntamento com a Código Simbólico - Associação Cultural. O evento ocorreu no Mercado Manuel Firmino, no dia 14 de junho.

Os autores Thais Matarazzo e Diego Nunes falaram sobre suas obras, sendo a palestra mediada pela socióloga Rosilda Portas.


Antiga estação de trem da cidade de Aveiro

Os palheiros da Costa Nova são famosas e castiças casas de riscas existentes na praia com o mesmo nome, originalmente em tons de vermelho ocre e preto, utilizados como antigos armazéns de alfaias da pesca.

Thais Matarazzo e a socióloga Rosilda Portas


Neuza Maria Faistauer, Diego Nunes e Thais Matarazzo

Thais Matarazzo e Diego Nunes na 40a. Feira do Livro de Aveiro

Thais, Rosilda Portas e Diego

Thais, Rosilda, Diego e os organizadores da Feira do Livro de Aveiro

Moliceiro é o nome dado aos barcos que circulam na Ria de Aveiro, região lagunar do Rio Vouga.
Esta  embarcação era originalmente utilizada para a recolha do moliço, atualmente é mais
 usados para fins turísticos





domingo, 7 de junho de 2015

Diego Nunes lança seu novo livro em Portugal

Obra destaca a interação de artistas do cinema brasileiro e português



            “Cá e Lá, o Intercâmbio Cinematográfico entre Brasil e Portugal” é o novo livro do escritor e radialista brasileiro Diego Nunes, lançado pela Editora Matarazzo. O título focaliza as relações entre as pátrias irmãs através do cinema.
            A primeira parte da obra mostra como os imigrantes portugueses foram uma presença marcante para a formação do cinema brasileiro dos primeiros dias, destacando a presença pioneira de cineastas portugueses como Antonio Leal e Francisco Santos, além da atriz Pepa Ruiz, a primeira grande estrela portuguesa nas artes brasileiras.
            A segunda parte, conta como o cinema falado teve influências do rádio, de onde vieram grandes estrelas cinematográficas, como Mesquinha, Sara Nobre e Violeta Ferraz. Ao todo são quarenta biografias apresentadas, todas de artistas lusitanos mas com carreiras consolidadas no Brasil.
            Por último, o livro mostra a participação de atores brasileiros em filmes portugueses, desde Cinira Polônio em 1896 até o final da década de setenta. E fala de artistas como Procópio Ferreira, Alzirinha Camargo, Eva Todor e dos comediantes Spina e Badaró, que resolveram permanecer em Portugal, onde foram consagrados como artistas cômicos, além de muitos outros.
            “Cá e Lá, o Intercâmbio Cinematográfico entre Brasil e Portugal” busca resgatar a memória destes artistas tão importantes, que ajudaram a construir a identidade cinematográfica de dois países unidos pela história.

O autor
                Diego Nunes é pesquisador, apaixonado por cinema, teatro e televisão. Formado em Rádio e TV, dedica-se a pesquisa da memória cultural e artística há mais de dez anos. é co-autor do livro “Salomé Parísio, o Rouxinol do Norte”. Agora apresenta seu primeiro livro solo, uma verdadeira viagem no tempo cinematográfico, que nos mostra a estreita ligação entre o Brasil e Portugal também no cinema.


Lançamentos
Em Lisboa, a apresentação acontecerá no dia 15 de junho, a partir das 17 horas, na Biblioteca de São Lazáro, à Rua do Saco, n. 1 A apresentação e moderação do lançamento ficarão a cargo de Jorge Trigo, professor em História e Mestre em História Regional e Local. Trigo tem organizado e participado em iniciativas relacionadas com o Fado. É autor, entre outros livros, das biografias “Ercília Costa - Sereia Peregrina do Fado” e “Mulher de Sonhos, Anita Guerreiro, Cheira Lisboa”, parceria com Luciano Reis.
            Por fim, no dia 20 de junho, às 18h30, haverá a inauguração da Exposição “Os Anos D’Ouro do Cinema Português”, na Sede Openline Portugal, à Rua de Delfim Ferreira, n. 555, organizada pelo pesquisador Paulo Borges. No dia da inauguração, o pesquisador brasileiro Diego Nunes falará sobre seu novo livro “Cá e Lá, o Intercâmbio Cinematográfico entre Brasil e Portugal”, que conta as relações entre o cinema brasileiro e português, exibindo pequenos trechos de filmes que contam com a participação de atores portugueses no cinema brasileiro, e dos brasileiros no cinema português. Afinal, falar de cinema sem imagens em movimento não tem o mesmo encanto. A explanação apresentará brevemente uma pequena biografia de cada personagem apresentando no livro, mostrando momentos marcantes e números musicais que fazem parte da filmografia dos artistas biografados. Também contará um pouco sobre o surgimento e a evolução dos filmes feitos no Brasil, e como a presença portuguesa foi fundamental na formação do cinema brasileiro.



--------------------------------------------


            Abaixo fotos do lançamento do livro de Diego Nunes na Biblioteca de São Lázaro, em Lisboa, no dia 15 de junho.


Diego Nunes apresenta seu livro para o público lisboeta

O salão nobre da Biblioteca de São Lázaro ficou repleto






Os portugueses gostaram muito do novo livro de Diego Nunes


Thais Matarazzo, a atriz Eloína Ferraz e o colecionador Miguel Villa

Miguel Villa e Diego Nunes

Prof. Jorge Trigo, Eloína Ferraz e Diego Nunes